Adão Rodrigues - Casario

COMPRAR

 

Biografia em baixo

Adão Rodrigues

Adão Rodrigues nasce no Porto Em 1935. A partir dos dois anos de idade, vive com sua avó materna, em Setúbal, onde inicia os estudos, apenas visitando os avós, os tios e a casa paterna, quer no Porto, quer noutras cidades, onde seu pai, talhante industrial, se fixava, lutando, garbosa e, autoritariamente, contra as dificuldades materiais da vida.

Na pré-adolescência, interim dos anos quarenta/cinquenta, passou, transitoriamente, por Viseu (durante as férias escolares), tendo-se cruzado comigo, por mera coincidência (proximidade de rua, estábulos e quintais). Mais tarde, ocasionalmente, também, viríamos a rever-nos, em Lisboa e no Estoril, no início dos anos sessenta, passando a encontrar-nos (primeiro, esporadicamente e, com mais regularidade, recíproco afecto e grande interesse cultural), nas últimas décadas…

Estuda pintura decorativa na primitiva Escola de Artes Decorativas António Arroyo, em Lisboa, onde foi condiscípulo do pintor Fausto Boavida e, entre outros (Abel Manta, Lino António, etc.), aluno dilecto do Mestre Pintor Álvaro Perdigão.

A sua primeira exposição individual teve lugar em 1959, no Clube de Campismo de Setúbal tendo, o catálogo, sido prefaciado por sua primeira esposa, cujo incentivo foi determinante no seu difícil início de carreira. Dele transcrevo a singeleza apelativa das suas palavras confiantes, de sinceridade e esperança: «Estão expostos 30 quadros» […] «Vão vê-los porque, só assim, ficarão com a certeza de ver um “artista novo, simples e sozinho” .

Por isso, sem dúvida, Adão Rodrigues elegeu Setúbal – cujo Município lhe atribuiu a Medalha de Honra da Cidade – para a realização das exposições retrospectivas em que celebrou os seus 15º e 35º aniversários e, agora, meio século, da sua carreira.

Frequentara, entretanto, um Curso de Iniciação à Gravura, orientado por David de Almeida (Oficina da Galeria Quadrum) e, outro, de actualização tecnológica e aperfeiçoamento, com a gravadora Maria Irene Ribeiro (Cooperativa Diferença), tendo participado nos cursos integrados do Workshop Internacional de Gravura, coordenado por Cláudio Juárez (Fábrica da Cultura da Amadora).

Orgulha-se de ter estimulado, na infância, o talento artístico de seu irmão, o pintor portuense António Fernando, salientando o facto de, recentemente , ter exposto “mano a mano”, com o sobrinho Nuno Rodrigues e, ainda, do parentesco com Luciano e Manuel Inácio, escultores do Porto, seus cunhado e sobrinho.

Pertenceu aos quadros da RTP (onde concluiu, como Chefe de Divisão, um longo ciclo profissional), passando a dedicar-se, exclusivamente, às artes plásticas, a partir dos anos noventa.

Durante décadas, foi visitante, frequentador assíduo e conviva discreto, em inúmeros ateliers de artistas plásticos , vindo a cooptar o convívio profissional do pintor Ribeiro Farinha, no seu atelier e, mais tarde, o dum profissional gráfico, retratista e paisagista naïf, Daniel Vidas, antes de estabelecer o seu próprio atelier individual, autónomo e independente, que abriria a cursos privados livres, já nos anos noventa.

Entre variadas experiências, vividas com curiosidade atenta e grande entusiasmo, o seu primeiro contacto com as novas tecnologias ocorre tardia e, esporadicamente, em 1994, no atelier de Arte Digital da Operação Capital, dirigido por Luiz Rodrigues, com quem preparou a sua exposição individual, desse ano, no Canadá.

Foi co-fundador e director da Galeria de Arte da Casa do Pessoal da RTP, sócio da SNBA e titular de órgãos nacionais da ANAP – Associação Nacional dos Artistas Plásticos, tendo integrado a Comissão de Estudos e Redacção dos seus actuais Estatutos, tendo integrado as suas colectivas regulares e outras mostras conjuntas, como membro do Grupo Paralelo .

Viria a ser seleccionado para participação em dezenas de bienais, nacionais e internacionais e (entre outras) convidado a integrar a Exposição “Capuchos 90”, tendo participado em quase duas centenas de certames, salões e exposições colectivas, sobretudo em Portugal, Brasil (Rio de Janeiro), Espanha (Madrid, Zamora, Huelva, Valência, etc.) e Checoslováquia (Galeria Nacional de Praga). Realizou grande número de Exposições individuais, em diversos museus, galerias de arte e outros espaços institucionais, em Portugal (Lisboa, Porto, Coimbra, Cerveira, Setúbal, Sabugal, Mértola, Açores e Madeira, Santiago do Cacém, Sesimbra, Sintra, Barreiro, Amadora, Portimão, etc.) e, no estrangeiro, em Espanha (Madrid), Itália (Reggia Emilia) e Canadá (Toronto).